Pasteleira Roque Bande – Live in Ílhavo

0
108
A guitarra de Luís Almeida - Pasteleira Roque Bande

A noite amena do passado dia 14 de Junho acolheu, em Ílhavo, no bar “Expresso do Oriente”, mais um concerto da banda local “Pasteleira Roque Bande” que após alguns meses de pausa, regressa com novo vocalista – Nuno Moreira (Freddy Strings – que já referimos numa reportagem anterior) e um novo baixista – Pedro Costa.

 

O nome “Pasteleira” deriva das famosas bicicletas tipo “Yé-Yé” que saltaram para a fama nos anos 60 e se mantiveram por cá até aos dias de hoje. Tal como as bicicletas, a música desse tempo também se manteve na memória destes jovens, que pretendem, com este projecto, valorizar o produto musical nacional, tantas vezes esquecido e substituído pelo ‘fast food’ da música ‘pop’ internacional. São eles Ana Manuel Castro na voz, Nuno Moreira na voz e guitarra, Luís Almeida na guitarra, Pedro Alexandre no baixo e Rui Morgado na bateria.

À hora marcada, a música começa a ouvir-se, com o tema “Não Sou o Único”, cover da versão de Xutos e Pontapés, servindo de entrada ao já tradicional repertório da banda, que privilegia títulos da música portuguesa como UHF, Roquivários, Jafumega, Taxi, Ornatos Violeta, Rui Veloso, Carlos Paião, António Variações e José Cid.

 

Logo – Pasteleira Roque Bande

Durante o concerto, as batidas enérgicas da bateria de Rui Morgado sustentavam o som característico dos “Pasteleira”, que escapava pelas portas do “Expresso do Oriente”, fazendo com que o “Largo do Bispo” e a Calçada Carlos Paião se enchessem com os acordes de “Playback” do famoso músico ilhavense. Foi um dos motes para revelar a ligação às raízes culturais da banda, bem como o tema “Ílhavo Heróico Poema”, letra e música de João Marques Ramalheira (Guilhermino Ramalheira), recebido com grande entusiasmo e muitos aplausos pelos espectadores que se encontravam no local, que acompanharam a letra na íntegra.

 

Pasteleira Roque Bande

Enquanto os ponteiros do relógio se aproximavam do final da actuação, houve ainda tempo para um medley (miscelânea) de Reggae, e para uma interpretação surpresa do tema “Latina América” dos Jafumega, onde sobressaiu a voz de Ana Manuel e a sonoridade da guitarra de Luís Almeida, que com o seu estilo muito próprio de tocar conseguiu mais uma vez conquistar o público presente e elevar o clima do concerto.

 

Não esquecendo a sua vertente dominante de rock português, estes jovens músicos defendem a nossa cultura com acordes bem amplificados. Entre medleys de “Xutos” ou de António Variações, sempre com um espírito irreverente, enriquecem qualquer espaço por onde passam. Uma prova viva de que as gerações mais novas não dão apenas ouvidos ao que se faz além fronteiras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Introduza o seu comentário
Introduza o seu nome