Pensar o futuro a 50 anos voltou a ser desafio no ‘Futuridade 2068’

    Gafanha do Carmo: a CCI encheu para festejar o aniversário do Centro Comunitário

    0
    495
    Pedro Abrunhosa, no Futuridade 2068

    Este ano o Centro Comunitário da Gafanha do Carmo (CCGC) celebrou o seu aniversário no dia 12 de maio e a Casa da Cultura de Ílhavo (CCI) encheu-se dos familiares e amigos habituais, mas também, quem sabe, de alguns do que o serão em 2068.

    Na abertura, Ângelo Valente, animador social da instituição assumiu que pensar o futuro a cinquenta anos, “é um desafio tramado, mas é também um dos dias mais felizes do ano” e que “é um dia realmente feliz por vos ter a todos connosco”, uma vez que, quase 500 pessoas quiseram partilhar com eles este dia, além dos 12 convidados que este ano preencheram o painel dos sonhos, com aquilo que “desperta o teu horizonte”.

    Maria Melo ofereceu os seus quadros ao CCGC. ‘Frágeis, Maiores, (i)Mortais’, esteve patente e resulta de 6 meses em que pintou ao vivo algumas das pessoas que vivem no CCGC. Ângelo Valente agradeceu em nome da instituição e disse: “a partir de hoje somos muito mais ricos”.

    Familiares, amigos, técnicos de outras instituições, parceiros, ex-colegas, Sofia Nunes, gerontóloga e parceira de Ângelo nesta forma de viver a maioridade disse que “são muitas as cidades, as instituições e as pessoas que fazem parte da nossa instituição”.

    Depois de uma abertura ao som da Oficina de Música de Aveiro (OMA), e de todo o evento ter sido interpretado em língua gestual, pode ouvir-se em off a mensagem endereçada pelo senhor Presidente da República ao Futuridade 2068, nas pessoas da Sofia e do Ângelo. Marcelo Rebelo de Sousa agradeceu todos os convites que já lhe foram endereçados e disse juntar-se à reflexão feita neste evento, valorizando a pertinência da iniciativa e a forma como é desenvolvida:

    “Atual é pensarmos o nosso presente e o nosso futuro e, enquanto comunidade, reconhecermos o potencial da pessoa idosa, encorajando o envelhecimento ativo e garantindo um envelhecimento com dignidade. Perspetivar uma sociedade sustentável, para todas as idades e compreender o potencial de viver mais tempo”, reforçando a mensagem de que “uma sociedade em que todos contam, tem de ser uma sociedade geracionalmente justa”.

    Leia a notícia completa na edição em papel.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Introduza o seu comentário
    Introduza o seu nome