É a segunda vez que venho ocupar o lugar daquela senhora que costuma escrever neste espaço e que (desculpe, senhora) às vezes deveria conter-se um pouco. Abusa da nossa tolerância, arma-se ao pingarelho e se calhar agiria bem se saísse de cena.

Com a humildade da ignorância que me caracteriza, começo por dizer que não percebi bem as palavras do senhor Rio na sua festa que não considera rentrée. É que me tinha parecido que ele andava um pouco enamorado de António Costa…

Estava o burro enganado no seu juízo de asno?

Hoje falou de modo diferente e esse possível dar as mãos apagou-se. Espero para ver. Será para sossegar o senhor Santana? Assim já este não precisaria de formar outro partido, não é?

Esse mistério com as casas vítimas do incêndio de Pedrógão que do nada passaram de segunda morada para morada principal também está longe da minha compreensão de burro.

Diria o Badaró de outros tempos: “Eu explico, você só complica…” Quem esclarece, afinal?

Leia o artigo completo na edição em papel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Introduza o seu comentário
Introduza o seu nome