Foto: Naty Veiga

• Toda a história e imagens da chegada do ‘Coimbra’, carregado com o ‘fiel amigo’ para as mesas natalícias. Tiago Pais explica alguns pormenores da faina no mar

Aquela quarta-feira acordou friorenta e chuvosa. Claro que, ao pensar nos homens que estão a bordo do navio bacalhoeiro Coimbra, que tem a chegada ao porto bacalhoeiro da Gafanha da Nazaré marcada para as 14 horas, percebe-se rapidamente que o frio que sentimos por cá, é relativo, em comparação com as temperaturas que se fazem sentir no Atlântico Norte.
Com o aproximar da hora marcada, a chuva pára. As nuvens dissipam e desaparecem, dando origem a uma bela tarde de céu azul e sol, mas ainda marcada pelo frio. O entusiasmo de ir receber o marido/pai/filho/namorado, que anda há meses no mar, em busca do ‘fiel amigo’ bacalhau, para, especialmente nesta altura, marcar presença na ceia de Natal de quase todas as mesas do nosso país, faz esquecer as baixas temperaturas que se fazem sentir.

* Leia a notícia em destaque, na íntegra, na edição em papel ou na edição online em https://oilhavense.com/jornal-online

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Introduza o seu comentário
Introduza o seu nome