Sonho do Illiabum durou cerca de 37 minutos

Cansaço e más decisões no último período ditam eliminação da Taça de Portugal frente ao FC Porto.

0

Pouco depois do FC Porto conseguir o empate a 54 pontos, Pedro Pinto, da linha de lance livre, colocou definitivamente os dragões na frente do marcador, quando faltavam apenas dois minutos e 29 segundos para o fim do jogo.

O Illiabum entrou muito bem na partida, superiorizando-se, na primeira parte, ao FC Porto, embora com vantagens mínimas (20-18 e 34-33), com Ryan Jones a destacar-se com 11 pontos marcados.

No primeiro período da segunda parte, o desacerto no lançamento da equipa liderada por Moncho López, com apenas quatro pontos e o acerto dos pupilos de João Figueiredo, com 14, fez com que a diferença no marcador desse para sonhar ainda mais.

O ambiente fantástico no Capitão Adriano Nordeste dava ânimo aos jogadores ilhavenses, mas nem toda a energia que vinha das bancadas chegou para dar para o último período.

Os dragões aqueceram as mãos e com cinco triplos certeiros na segunda parte, acabaram por dar a volta ao marcador já nos instantes finais do encontro e, assim, justificar a passagem à eliminatória seguinte.
Pelo contrário, o Illiabum, acusou cansaço e o discernimento foi fugindo, explicando o facto de gastarem, por vezes, os 24 segundos sem efetuarem qualquer lançamento ao cesto.

Para a história, fica o resultado final: O FC Porto venceu, em Ílhavo, por 66-61.

Após o termo da partida, em declarações a’O ILHAVENSE, Francisco Gradeço explicou o resultado: “A equipa fez um excelente jogo do ponto de vista defensivo. Houve um momento do jogo que manifestámos alguma fadiga e, fundamentalmente, não tivemos a coragem necessária para atacar o cesto com decisão para assumir o lançamento exterior ou a penetração, no período em que o Porto foi muito mais agressivo. Estivemos a jogar para o lado sem concretizar no ponto vista ofensivo e permitimos que o adversário passasse para a frente”. “Ganhou a equipa mais feliz”, acrescenta, ressalvando, no entanto, a “excelente atitude” da equipa ilhavense. “Foi pena os cinco minutos em que não conseguimos a coragem necessária para atacar o cesto quando o Porto foi mais agressivo”, rematou.
Quanto ao futuro, e mais propriamente no que concerne à Liga, o treinador adjunto do Illiabum espera reverter os últimos resultados, ser mais forte nos instantes finais das partidas e assim poder lutar por um lugar no play off.

DEIXE UMA RESPOSTA

Introduza o seu comentário
Introduza o seu nome