Praia da Barquinha

1

Em Julho, vínhamos de carregar e descarregar uma máquina pesadíssima numa manhã de sábado. Carregar um peso é, bem sabemos, uma dor de cabeça, mas carrega consigo a promessa de o aliviar. Esta é, ao seu modo, uma felicidade fácil, como todas as felicidades.

Com a carga e a descarga, uma fome vai-se-nos somando, assomando, e decidimos assentar arraiais na Barquinha com um modesto farnel e destapar as bocas por um bocado para um bom pedaço à beira do rio Boco.

Debaixo de um céu limpo, vamos comendo, bebendo, deitando um olho à água, à “praia”. Em pouco tempo chega um “amigo da barquinha”, depois outros. É uma praia com amigos, esta. Percebemos que estamos a ocupar o banco que costumam usar, mas não se importam – “deixem-se estar”: os amigos não são territoriais, sabem receber, põem-nos à vontade. São amigos, lá está.

Em pouco tempo, o primeiro faz-se à água. “Está quente”, constata-se sem grande surpresa, “tem estado assim”. “Está-se melhor cá dentro que aí fora”. Da minha parte, desconfio um pouco, mas a este seguem-se outros que entram com conforto pela água dentro, a dar braçadas e a conversar sobre o bom que é estar na água.

Guardo os meus óculos num lugar que não reencontrarei sem ajuda e sigo, pé ante pé, ora pela irregularidade do piso ora pela irregularidade da visão, no sentido do rio. Os pés chegam perto de água, sentem o peso no piso lodoso, param um pouco para se habituar e seguem de novo. O dedão toca na superfície, aventura alguma profundidade e confirma: está quente.

Entro, de cabeça, e reúno-me junto daquela fraternidade. Os meus amigos, os da barquinha, já todos juntos e todos amigos como a água quando se junta e fica toda a mesma água.

Às tantas dizem-me: “ó David, devias era escrever qualquer coisa sobre a Barquinha lá para o jornal“ E eu digo que realmente devia, é boa ideia, mas o sol baixa e a pele dos dedos encarquilha e eu olho para eles e ponho-me a pensar, a pensar: como e com que fim se há de escrever sobre esta tarde? Como e com que fim se deve escrever sobre a felicidade? Acto inútil e insensato. Só o triste, o imperfeito, precisa desse gesto, desse estilo, que sempre ajuda a figurar a vida, a não enlouquecer.

Sigo para casa com um sol já baixo nas minhas costas e o cabelo ainda molhado e já com saudades de me ir afundar na salubridade daquela água salobra. 

Imprudente soberba, seria. Certos lugares, certos momentos, bastam-se e não adianta procurar fazer belo o que já é. Ou foi, talvez. Porque a maior verdade de todas é a que nos deixa o nosso velho amigo Heráclito, também ele neste rio, a nadar connosco, e em nós misturado como a água: a de que não se pode nadar no mesmo rio duas vezes.

Mas que bom, que bom foi nadar naquele.

Publicidade

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Introduza o seu comentário
Introduza o seu nome