O Partido Socialista de Ílhavo (PS) apresentou as medidas que pretende ver incluídas nas Grandes Opções do Plano e Orçamento para 2023, no âmbito do direito de consulta prévia previsto no Estatuto do Direito de Oposição.

As medidas propostas têm enfoque em iniciativas que apoiem as famílias, as associações e o comércio local a enfrentar a crise inflacionista.

Nesse contexto, Nuno Quiaios, líder da estrutura socialista loca, defendeu que, do lado da receita, estão criadas as condições orçamentais e financeiras para reduzir a Taxa de IMI para o valor mínimo de 0,3%, para os prédios urbanos, e diminuir a Taxa de Participação Variável no IRS para 3%. Nuno Quiaios considera que «estes são instrumentos que concorrem para o alívio dos orçamentos familiares».

O PS apresentou também um plano de emergência social e económica para apoiar a comunidade em tempos de aumentos dos preços, que espera ver refletido no Orçamento Municipal.

Neste plano, encontram-se propostas como apoio ao pagamento da conta da água, eletricidade e gás às famílias carenciadas que o solicitem, congelamento dos aumentos das rendas municipais (tanto residenciais como comerciais), criação de mecanismo de apoio aos comerciantes e aos munícipes, que estimulem a utilização do comércio local, suspensão de cobrança de todas as taxas de utilização do espaço público e ocupação da via pública (nomeadamente as que se relacionam com toldos, publicidade e esplanadas nos estabelecimentos comerciais), aumento do apoio às associações e IPSS (no mínimo em valor igual ao da inflação).

O PS/Ílhavo afirma estar «convicto que estas medidas, para além de desejáveis, são sustentáveis financeiramente, tendo em conta a folga orçamental existente» e manifesta-se «comprometido em garantir condições de estabilidade governativa e todos os instrumentos orçamentais para esse efeito, asseverando, no entanto, que não passa cheques em branco à maioria, pelo que espera efetiva abertura às propostas das oposições».

Publicidade