Festival do Bacalhau despede-se em alta e promete voltar ainda melhor em 2020

Em jeito de balanço, a organização diz-se “orgulhosa” por um evento com “forte adesão do público”. Único ponto negativo foi a chuva dos primeiros dias.

0
100
Bacalhau foi celebrado num festival para toda a família

O Festival do Bacalhau, “um dos maiores festivais gastronómicos do país”, promovido pela Câmara Municipal de Ílhavo em parceria com a Confraria Gastronómica do Bacalhau, decorreu de 7 a 11 de agosto.

O Jardim Oudinot, na Gafanha da Nazaré, foi “ponto de encontro de milhares de famílias e amigos”, vivendo cinco dias de grande intensidade. A diversidade de propostas para os visitantes foi muito grande: showcookings, concertos de Expensive Soul, GNR, Raquel Tavares, Dino de D’Santiago com a Orquestra Filarmónica Gafanhense e o projeto Paião, de homenagem ao compositor e letrista ilhavense, atividades náuticas, circo e teatro de rua, a Corrida Mais Louca da Ria, a Volta ao Cais em Pasteleira e a Mini Maratona do Museu Marítimo de Ílhavo, esta última com um inesperado pedido de casamento.

Quanto ao bacalhau propriamente dito, a Câmara Municipal de Ílhavo ainda está a reunir os números referentes às refeições servidas nos dez espaços gastronómicos, mas, entretanto, adianta que o Pavilhão Terra e Mar, este ano com imagem renovada, recebeu quase 40 mil visitantes, “mais 3 mil pessoas em relação ao ano anterior”. Por sua vez, o Navio-museu Santo André teve mais de 4500 visitantes, com as três apresentações da performance “Há Marias Assim” esgotadas.

Num festival em que o bacalhau é rei, o “fiel amigo” pode degustar-se de mil e uma maneiras. Falamos das propostas gastronómicas das associações locais, mas também de novas abordagens culinárias do bacalhau. Itália foi o país convidado desta 12ª edição do Festival. A Comuna de Imperia, no norte de Itália, uma cidade costeira no Mediterrâneo, trouxe o stoccafisso, um prato local de bacalhau seco sem sal, cozinhado numa enorme panela com um diâmetro de três metros.

Para a organização, as condições climatéricas adversas que se fizeram sentir nos primeiros dias de festival constituem o único fator negativo. Ainda assim, asseguram, essa condicionante “deixou os visitantes ainda com mais vontade de ir ao Festival do Bacalhau nos dias de sol que se seguiram”.

Em nota de balanço enviada às redações, a Câmara Municipal de Ílhavo afirma ainda que “as soluções ecológicas do festival têm melhorado de ano para ano”, dando especial destaque à utilização de copos reutilizáveis que, no fim do evento, podiam ser entregues, recuperando a respetiva caução. Um “substancial progresso na limpeza do recinto” foi confirmado também pela SUMA.

Com nota de agradecimento às associações e empresas participantes, a Câmara Municipal de Ílhavo diz já estar a pensar no Festival do Bacalhau 2020, “com a promessa de uma melhoria continua e na perspetiva de se tornar, cada vez mais, uma referência enquanto evento gastronómico, ao nível nacional”.

(Ler na íntegra na edição em papel)

DEIXE UMA RESPOSTA

Introduza o seu comentário
Introduza o seu nome