Costa Nova celebra o “seu” padroeiro dos pescadores

Santo Amaro é recordado na Costa Nova com procissão pela praia, pelo cais e pelo mercado.

0
113

Como tem vindo a fazer desde 2012, a comunidade da Costa Nova celebrou, em janeiro, a festa em honra do santo que, naquela paróquia, é evocado como padroeiro dos pescadores – Santo Amaro.

Os festejos tiveram os seus pontos altos na quarta-feira, dia 15 de janeiro – dia de Santo Amaro -, com a eucaristia festiva e, no domingo, dia 19 de janeiro, com uma procissão especial. Os fiéis percorreram as ruas e a praia da Costa Nova, com um momento de bênção do mar e de todos aqueles têm no mar ou na ria o sustento das suas famílias. Para além disso, a procissão passou ainda pelo cais dos pescadores, onde foram benzidos os instrumentos de pesca e pelo mercado municipal enquanto local de trabalho ligado à ria e ao mar.

Este ano, a Comissão de Festas da Costa Nova organizou três noites de arraial, com concursos de karaoke, um torneio de jogo do prego, circo, animação musical e DJs e uma sessão de fogo de artifício a encerrar os festejos, tudo concentrado no largo do cais dos pescadores.

Padroeiro dos pescadores?

A tradição da Igreja atribui ao apóstolo São Pedro – segundo a biblía, ele próprio, um pescador – a proteção dos pescadores. No entanto, na Costa Nova, evoca-se Santo Amaro. Porquê? Ângelo Silva, pároco daquela paróquia, associa esta devoção a um episódio da vida do santo. “Santo Amaro, ou São Mauro, como também é conhecido, foi um abade, discípulo de São Bento, que terá vivido no século quarto. A ligação que a comunidade da Costa Nova estabelece entre Amaro e a água prende-se com um episódio da sua vida em que este, vendo que o seu amigo, São Plácido, se estava a afogar, terá caminhado sobre as águas, salvando-o”. Será por isso, também, que a imagem venerada na Costa Nova possui uma iconografia única associada: o santo aparece no interior de uma embarcação de xávega, segurando, com a mão esquerda, uma rede de pesca.

A tradição da festa em honra de Santo Amaro esteve adormecida por mais de cinquenta anos até que, em 2012, foi retomada. Desde aí, tem-se realizado todos os anos, sempre em meados de janeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Introduza o seu comentário
Introduza o seu nome