Um Feriado Municipal diferente…

0

No próximo dia 13 de abril, assinalamos mais um Dia do Município. Este ano, será um Feriado Municipal bem diferente e vivenciado fora do que tem sido a tradição: não haverá o Hastear das Bandeiras, a Sessão Solene Comemorativa, a entrega das Condecorações Honoríficas Municipais ou as iniciativas que, por norma, destacam a nossa identidade e o nosso património. Não juntaremos a comunidade, nem ouviremos, orgulhosamente, o som de uma das prestigiadas Bandas Filarmónicas do nosso Município.

Por opção nossa? Não. Mas sim porque vivemos, neste momento, uma realidade e uma conjuntura que nos coloca restrições sociais, nos obriga a sacrifícios coletivos e nos projeta inquestionáveis desafios futuros difíceis de enfrentar.

Lidamos com algo que não se vê, que mal se conhece e que mudou, profundamente, a sociedade. Algo que nos atormenta, inquieta e assusta, que nos alterou as rotinas e os hábitos, que deixa o país a meio gás, que nos retirou das nossas escolas, dos empregos e dos espaços públicos, e nos confina, “aprisionados”, às nossas casas… mas tem que ser. Num ápice, questiona a nossa capacidade de sobrevivência e de resistência e pressiona todo o nosso sistema de saúde e os seus profissionais, aos quais endosso, aqui, uma palavra de gratidão e de coragem. Deixa-nos, a todos, sem distinção, numa fragilidade coletiva que exige e inquieta.

E se a realidade que hoje vivemos é centrada no combate e na contenção do surto da Covid-19, os impactos futuros da pandemia terão contornos que se irão refletir diretamente nas nossas vidas, muito para além da fase de declínio do vírus. Serão grandes e complexos os obstáculos que teremos que enfrentar num futuro bem próximo, distinto e, provavelmente, mais acentuado do que vivenciámos com a crise de 2008, nomeadamente entre 2011 e 2015.

Será ao recordarmos a nossa identidade como povo marinheiro que, meses a fio, enfrentou bravamente as agruras dos mares gélidos do Norte na pesca do Bacalhau; como povo que soube erguer faróis, que rasgou a ligação entre a ria e o mar, e que potenciou a sua orla costeira; como povo que soube encontrar novos desafios e novas oportunidades na sua Ria e na sua costa e no desenvolvimento de um tecido empresarial forte e inovador; que encontraremos força e coragem para ultrapassar os novos desafios.

Será pelo conhecimento e por aquilo que conseguimos alcançar e estruturar até hoje, no Município, que ganharemos mais essa batalha: os apoios sociais contemplados no Fundo Municipal de Apoio às Famílias e Indivíduos Carenciados; as políticas de consolidação da educação e as ações desenvolvidas com a comunidade escolar; a sensibilização para os impactos das alterações climáticas e os programas de educação ambiental; a requalificação urbana e do espaço público que está em curso; a implementação de instrumentos de planeamento que potenciam desenvolvimento e coesão territorial; os projetos de promoção de modos suaves de mobilidade, como os corredores cicláveis; a construção de infraestruturas básicas que permitirão, muito em breve, proporcionar ainda mais qualidade de vida e bem estar aos nossos munícipes; o trabalho que desenvolvemos com a comunidade sénior na valorização do natural processo de envelhecimento; a oferta desportiva que tem potenciado a prática do desporto e da atividade física como fatores primordiais para uma vida saudável. Não será igualmente indiferente a nossa atratividade turística e económica, a referência regional e nacional enquanto Município promotor de cultura de excelência, cuidador da sua identidade, história e património.

A tudo isto, importa ainda acrescentar o investimento e o trabalho que é feito, regularmente, com as quatro Juntas de Freguesia, as Associações e Instituições do Município.

Será para todos e com todos que o Executivo Municipal se empenhará e se esforçará para que, passados estes tempos de tormenta, se consiga alcançar rapidamente a bonança. Será para todos os ilhavenses que este Executivo trabalhará ainda com mais afinco e dedicação para conseguir dar continuidade à Construção do nosso Futuro.

Por tudo isto, fica a esperança na nossa gente e nas nossas coisas, para que a nossa alegria e tradição voltem, e voltem com mais força, porque ainda temos muito para viver.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Introduza o seu comentário
Introduza o seu nome