Falando a sério da escandalosa corrupção em que as próprias figuras políticas dos sucessivos governos desta Nação se atolam até ao pescoço, tornar-se-á necessário falar da constituição de monopólios do tempo da primeira industrialização de Portugal, a do Marquês de Pombal, acompanhando a evolução dos factos e dos tempos. Mas vamos ao tempo aqui mesmo ao virar de portas e esquinas. E comecemos por nos interrogarmos como se reconstruiram os grupos privados após a nacionalização da banca em 11 de Março de 1975, como reapareceram os bancos privados, como surgiram o BIP, das confederações do Porto de Santos Silva, o BCP/Millenium da Opus Dei, Jardim Gonçalves, o BPN de Oliveira e Costa, como reapareceram os Espirito Santo, como desapareceram os Burney, os Pinto Basto, o Totta e Açores, o Pinto e Sotto Mayor, o Crédito Predial, como desapareceu o Banco Português do Atlântico de Cupertino de Miranda e o Pinto Magalhães. Como apareceram os Mello /CUF no sector da saúde privada e nas autoestradas e como desapareceu a CUF, poderosos grupo industrial, como desapareceu a SACOR e surgiu a GALP, como foram atribuídas as concessões de estradas – BRISA e Autoestradas do Atlântico, de portos, e de aeroportos.

Em resumo: Como surgiu a Quinta da Marinha após o 25 de Novembro, como desapareceram a Siderurgia Nacional, a CIMPOR, a CUF /SAPEC- Adubos, as papeleiras, as refinarias nacionais e surgiram os concessionários das portagens de autoestradas, os comissionistas de taxas de combustíveis e da electricidade, os merceeiros da grande distribuição!…

Corrupção – Como se constroem impérios de serviços – SONAE, Pingo Doce, Brisa, CUF Saúde. Como se constrói uma sociedade de rendas, de rentistas, sem pagar comissões ao poder político e não só, como se mantém a ficção de que vivemos num regime de seriedade sem uma comunicação social por conta, como as amantes, a comunicação social corrupta desde o miolo, a comunicação da corrupção e ao serviço da corrupção!

Leia o artigo completo na edição em papel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Introduza o seu comentário
Introduza o seu nome