Março reserva-nos um acontecimento importante: a estreia do filme “Terra Nova” que tanto nos diz, a todos nós ilhavenses. Pelo papel que tivemos nessa grande história da pesca do bacalhau e também pelo elo que nos une ao navio a partir do qual esta longa metragem foi filmada: o Santa Maria Manuela, recuperado graças ao esforço da empresa ilhavense Pascoal & Filhos. O filme realizado por Artur Ribeiro e com produção de Ana Costa tem tudo para ser o retrato que nos faltava dessa grande epopeia.

O Afonso Ré Lau entrevistou o realizador Artur Ribeiro e desvenda alguns pormenores do filme que irá estrear a 19 de março e que é inspirado n’“O Lugre”, de Bernardo Santareno. Pelo que nos é aqui contado, e também pelas imagens que já nos foram dadas a conhecer, “Terra Nova” tem todas as condições para merecer o nosso aplauso.

Em vez de ficarem no conforto do estúdio, recorrendo à magia dos efeitos especiais, atores e restante equipa lançaram-se à aventura. Embarcaram num antigo bacalhoeiro, o Santa Maria Manuela, e passaram umas semanas no mar, a navegar. Com condições que os pescadores de então não tinham, já sabemos, mas andaram por lá. Sentiram o vento fresco na face, sujeitaram-se à ondulação, perceberam que, por ali, o mar é quem manda.

É, assim, com uma enorme expetativa que aguardamos pela chegada do filme às salas de cinema. Tanto mais porque o “era uma vez” da sua produção teve como cenário o (nosso) Museu Marítimo de Ílhavo. O já falecido Nicolau Breyner e o realizador Artur Ribeiro vieram a Ílhavo fazer as suas pesquisas para este projeto. E mais não digo, uma vez que pode ficar a conhecer todos os pormenores aqui.

Nesta edição, também olhamos para os festejos de Carnaval no nosso município, apresentando-lhe as imagens da folia que tomou conta das ruas de Ílhavo e de Vale de Ílhavo. Uma festa que terminou com uma boa dose de nostalgia: na quarta-feira de cinzas, em Vale de Ílhavo, desfiaram-se memórias dos desfiles de outros tempos. Alguns dos protagonistas do antigo Carnaval de Ílhavo juntaram-se para “Uma Colher de Conversa Com…”, iniciativa dirigida à comunidade sénior do município.

Permita-me destacar, ainda, a onda de solidariedade para com o casal ilhavense que ficou sem casa, na sequência de um incêndio. É só mais um exemplo da união e bom coração das gentes desta terra. Até podemos ter os nossos defeitos – e não são poucos -, mas quando tocam o sino a rebate, o espírito de entreajuda acaba por falar mais alto.

Boas leituras.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Introduza o seu comentário
Introduza o seu nome